Textos, vídeos e etc...

Compartilhando conhecimento

Os 13 conselhos do Dr. Hamer para curar-se



1- Não deixar-se vencer pelo pânico

Ao entrar em pânico fará com que a central de comando execute um programa, e estabeleça o programa onde se deva. Neste momento, a pessoa perde a conexão funcional coerente do cérebro. Muito frequentemente, as pessoas morrem em pânico. A pessoa não deveria entrar nunca em pânico e nem fazer com que os demais entrem em pânico. 

Deve se ter um enorme cuidado com o ambiente a nossa volta e especialmente com quem convive conosco. AMEM-SE! Amem-se a vocês mesmos e também uns aos outros. AMAR-SE tem um duplo sentido de grande valor terapêutico. Se você se ama, primeiro, não terá nenhum conflito consigo mesmo, nem de desvalorização, nem de culpa. Se ama aos demais então não terá nenhum conflito com os demais.

Não entrar em pânico significa que o enfermo nunca deve se assustar e que os terapeutas jamais devem assustar ao enfermo. Do contrario, até um resfriado é incurável, já que provocará uma generalização.

Entrar em pânico é comprar um bilhete de ida. Por exemplo: dizer a uma mãe em tom de (sinto muito senhora, meus pêsames, lamentavelmente tenho mas más noticias”), que seu filho tem leucemia é um assassinato. Porque a leucemia não é uma enfermidade! É o primeiro de cinco passos biológicos naturais de regeneração do sangue depois de um conflito cuja a resposta biológica foi uma anemia.


2- Suportar a vagotonia

Por volta das 22:00 horas desencadeia-se normalmente o pico da vagotonia. O nervo vago é o nervo mais poderoso do nosso organismo: não tem como vencer o sono. Esse é nosso ritmo ancestral: o homem é um animal diurno, em seu código biológico de comportamento antigo de quarto milhões de anos, está gravado que deve caçar, apanhar frutos, agir de dia e descansar de noite. É durante a noite que tudo está automatizado para que o organismo concentre seu trabalho no tubo digestivo.

Temos menor atividade cerebral, respiratória e cardíaca. É normalmente pela noite que toda enfermidade será mais insuportável porque é durante essa vagotonia que o cérebro repara melhor e pode haver mais edemas. Se pode fazer algo para reduzir esses edemas para que seja mais suportável, mas só reduzir porque se impedir que atuem, nunca haverá a reparação, pois os elementos reconstitutivos não vão reparar. 

Se a vagotonia é muito forte, a cabeça pode estar quente ao ponto de uma pessoa molhar a cabeça e ter seus cabelos praticamente secos sem a necessidade de usar o secador, simplesmente pela termogênese de condutibilidade. Isto acontece quando a cabeça está “esmagada” por edemas biológicos: neste momento, TEM QUE AJUDAR.

3- Todas as noites, fazer o balanço diário.

Deve-se saber se não ‘trabalhou’ muito durante o dia. Se sim, repouso obrigatório o dia seguinte (para as enfermidades importantes como o câncer, fibromialgia, artrite, etc…). A pessoa deve curar-se. Pode fazer muitas coisas, mas deve ocupar-se de sua enfermidade acima de tudo. Não deve esperar QUE ALGUÉM OU ALGO O CURE, tem que motivar-se. 

Existe um duplo significado nisto. Deve ocupar-se de si mesma, que relembre de toda a sua jornada em sua cabeça, interesse-se pela viva, que anote, e que faça esse balanço. Se fez muito, deve descansar no dia seguinte porque do contrario entra em um stress muito alto, em atividade, e com isso o cérebro entra em simpaticotonia parando a vagotonia. Assim o processo de cura se interrompe
.

4- Todas as manhãs pegar um lápis e planejar seu dia.

Tem que respeitar este plano e prever ao menos seis horas a mais de descanso, além da noite. Estas são as regras para quem está muito enfermo e precisa lutar contra suas angústias. Aquele que está na cadeira de rodas e quer sempre assistir a muitas reuniões para demonstrar que pode fazer o mesmo que todo mundo. É UMA REAÇÃO DE FUGA, é um jogo perverso. TEM QUE CONCENTRAR-SE NA SUA CURA porque é possível. Evitar entrar no estresse da ação.

Com seis horas de repouso, além da noite, teremos vagotonia suficiente. O cérebro tem uma força extraordinária para curar-nos apesar de tudo que fazemos contra isso (entre os medos, as mensagens deprimentes ou terríveis que recebemos durante o dia e a causa das ações).

5- Fazer sempre o que for realmente necessário primeiro

Se isso passa de 3 horas de esforço físico ou psicológico, deve-se deter o supérfluo e descansar, com o coração alegre porque estamos fazendo para curar-nos, e não o contrário. A maioria das pessoas se deprime, desmoraliza, tem medo de descansar: tem o ESTRESSE DE SEU PROBLEMA, DE SUA DECADÊNCIA E ESSE É UM CONFLITO SECUNDÁRIO MUITO FORTE. “JÁ NÃO POSSO FAZER NADA, NÃO SIRVO”. 

Fazer o absolutamente necessário primeiro vai permitir a pessoa provar que existe, mas tem que cronometrar o tempo. A pessoa enferma quer mostrar que pode fazer, mas se passa de 3 horas físicas ou psicológicas, deve parar. O melhor é ler coisas leves, divertidas, ver filmes divertidos e podem ver quantas vezes quiser. É a terapia do riso, porém se começa a assistir noticiários, com guerras, acidentes, ou filmes de morte, de violência, inconscientemente se estressa com imagens liminares e subliminares.

DURANTE A RECUPERAÇÃO, ME OCUPO DE MIM, ME AMO, ME CUIDO, ME MIMO. É VITAL. É A MANEIRA DE CURAR-SE. Não alcança com decodificar e aceitar (as vezes sim) tem que respeitar a reparação também.


6- Evitar todo o enfrentamento

Recriminar, discutir a sua volta é um dos maiores dramas que garantem a recaída ou a impossibilidade de curar se. 

“Necessito de você, de sua ajuda e não de oposição permanente”. Porque um consome calorias e forças das quais necessita o cérebro para reparar e ao monopolizar a energia para o combate geralmente o enfermo está exposto ao juízo dos que o rodeiam, e estes não sabem nada, somente falam por falar e o enfermo não se liberta, não sai do estresse. 

Aqui reproduzo uma frase que Claude Sabbah atribui a seu avô: “se as pessoas que não tem nada a dizer se calassem, haveria um grande silencio na superfície da terra. São sempre os que não sabem nada que carcarejam” aqui estamos falando de uma elevação no nível da consciência humana.


7- Privilegiar o repouso noturno

O ser humano é um animal diurno. Todos os seus ritmos biológicos básicos estão programados pelo ritmo solar. Claro que normalmente a noite o enfermo sinta mais dor, e em alguns casos com a angústia inconsciente de “acordar ou morrer”, é bastante difícil manter estes ritmos. Deve-se desdramatizar isso. Além de que não fizeram muita coisa durante o dia, e não estão cansados o suficiente para dormir bem a noite. 

Então, não há que duvidar em modificar o horário do sono. Deve privilegiar o repouso noturno na medida do possível, isso não é fácil, não ha que duvidar em ficar desperto até as 2 ou 3 da manhã, assistindo documentários, tomando um ou outro café (o café também reduz o edema cerebral). Desse modo, o enfermo sabe que por um bom tempo não pode dormir então aguenta até onde pode: quando passa o período habitual de grande vagotonia, e depois de tomar o gosto de ficar pela noite lendo, escrevendo, pensando positivamente, sem stress…ai vão dormir e se levantar ao meio dia. Depois a medida que melhoram, vão paulatinamente, uma hora por dia, voltando a seu horário habitual.

8- Comer de forma saudável e leve
Saladas, frutas, comidas cruas, ou cozidas na brasa, para que seja facilmente assimiladas. Se come muito, digerir irá consumir muitas calorias e é melhor guardar o máximo possível para a cura.

EVITAR ABSOLUTAMENTE: O ÁLCOOL NA VAGOTONIA.


9- Curar-se normalmente se aparecer dor
Pode tomar remédios alopáticos e homeopáticos como o de costume, isso não coloca a cura em perigo

10- Esperar pacientemente a verdadeira melhora.
Se não deixar-se assustar pelos pequenos ou grandes inconvenientes da recuperação e esperar realizando o melhor repouso possível, a melhora vai chegar. Se o ponto culminante da fase de recuperação passou, a pessoa terá muitos edemas que pode trazer manifestações e moléstias, como dores, vertigens, febre se os edemas estão no tronco cerebral, mal estar. Isto NÃO DEVE ASSUSTAR A PESSOA: não se trata de coisas graves e sim o esforço de reparação. Tem que esperar pacientemente sem iniciar com a ideia de que está doente, de que não ha cura. É o principio da pessoa que tem edemas em suas fibras e com isso agrava-se durante um tempo sua dificuldade motriz em uma esclerose múltipla. Por exemplo. 

Devido a nossa cultura ancestral baseada na aparência das enfermidades, isto nos leva a ter pânico, ir ao hospital urgente, perfusão de corticoides em grandes quantidades, o que muda a pessoa porque diminuí o edema e a dor desaparece… porem não está curada e o processo inicia com mais violência.


11- Jamais se expor ao sol ou com a cabeça perto de uma fonte de calor

O calor multiplica por quatro o tamanho do edema cerebral. Nesse momento se exerce uma enorme pressão e corre-se o risco de uma crise de epilepsia forte. Em geral, se recomenda ao grande enfermo de evitar ficar ao sol durante um ano, inclusive no mar. Pode ficar na sombra, banhar-se mas somente até ai não mais que isso. Se a cabeça está próximo a uma fonte de calor, o mesmo.

CONVÉM COLOCAR GELO SOBRE A CABEÇA.

O Dr. Hamer menciona um caso típico: um homem de negócios que tem sérios problemas porque sua empresa está muito mal em Dezembro. Em Janeiro, sua esposa e filhos vão de férias para a praia por um mês. Em 15 de janeiro, o homem soluciona seu problema e salva sua empresa. 

Se reúne com sua família na praia e começa a tomar sol: o que ele não sabia é que acabava de sair de um conflito de perda de território. Como nenhum de nós faz a relação entre o conflito e o sol agitando os edemas, ele tem sua crise na praia e deixa a praia de ambulância.


12- Se o problema é muito importante, gelar as partes dolorosas e a cabeça.

Se tem dor no fígado por exemplo, tem que colocar gelo sobre o fígado e também no lugar de controle neuronal do fígado na cabeça, quer dizer sobre o tronco cerebral, na nuca, na parte superior do pescoço. Se o frio não diminui a dor no órgão, então tem que se colocar calor no órgão, MAS SOBRE A CABEÇA SEMPRE FRIO, SEM EXCEÇÃO. 

Se recomenda comprar “cold hot pack” e ter 4 desses: 2 no congelador, 2 sobre a pessoa, tem que trocar a cada hora. Se é muito violento, colocar gelo em ambos os lugares e fazer um banho quente nos pés, a diferença de temperatura vai fazer que o liquido circule de maneira mecânica e reduza um pouco o edema.

13- Nunca diminuir demais os sintomas

Pode-se fazer uso de analgésicos ou anti-inflamatórios para que os sintomas fiquem suportáveis. Os sintomas desapareceram por si sós quando a central de comando decidir. Enquanto existe sintoma, é porque é necessário. É extremamente importante. 

Por exemplo, se você se corta com um vidro, vai doer enquanto cicatriza e ficará sensível, justamente para não agravar a ferida (se não doer não se tem o mesmo cuidado com a ferida e não permitiria que se cure: essa é a função da dor). Não se esqueça que o cérebro jamais se equivoca. Se existe dor é porque o cérebro diz: ”vá repousar”. Tem que respeitar essa inteligência inata que nos permite sobreviver há milhões de anos.

Fonte: altaeducación.org

<< voltar